Quarta-feira, 19 de Julho de 2006

O primeiro ataque a Bafatá

 

          Cerca das 23H20 do dia 26 de Junho de 1971, um grupo inimigo atacou BAFATÁ durante cerca de 5 a 10 minutos. Parte do seu efectivo visou directamente o aquartelamento do ERec. 2640. As nossas tropas reagiram pelo fogo e pela manobra. Não houve consequências para as mesmas. No entanto, a população civil sofreu 4 feridos ligeiros e foram queimadas 11 habitações (palhotas) de um bairro da periferia.
 
“História do Esquadrão de Reconhecimento 2640”, Cap. II, Pag. 52
(com algumas correcções meramente editoriais)
 
 
          O General Spínola desceu do helicóptero com cara de poucos amigos. Ao contrário do costume, não envergava o camuflado. Apresentou-se de farda verde, de gravata e com o blusão de lã vestido, embora o calor de Junho fosse sufocante. Na cabeça, a boina preta, monóculo no olho direito e uma varinha na mão. Depois de um cumprimento de circunstância aos oficiais que o aguardavam na placa da pista de aviação, dirigiu-se de imediato para a sala de reuniões.
          Militarmente pouco relevante, este ataque revestiu-se de uma grande importância psicológica e política. Era o primeiro ataque ao âmago do “Chão” Fula, e punha a nu a fragilidade da sua segurança, resultante do abandono da região do Boé, a Sul do rio Corubal. Abandono este decidido pelo próprio Spínola e que foi alvo de críticas, tanto de políticos como de militares.
          Assim, o general, que sempre revelara uma certa dificuldade em reconhecer os seus erros, não se demorou em encetar um ataque cerrado ao comandante da defesa de Bafatá, um tenente-coronel que comandava o Batalhão local. O ambiente era pesado e irrespirável, as portas e janelas foram fechadas e todos, menos Spínola, que continuava agasalhado, transpiravam copiosamente. De palavra pronta e acutilante, desferia golpes sobre golpes no pobre homem. A intenção era clara: descobrir uma falha que lhe permitisse transferir as culpas para o seu subordinado.
          Mas não foi fácil. O tenente-coronel, sem o fazer com frontalidade, procurava insinuar que não tinha flexibilidade para alterar o dispositivo de defesa, imposto pelos escalões superiores. Que, nesses termos, era impossível suster as infiltrações dos guerrilheiros. Ou seja, que a responsabilidade do desaire caberia, em última análise, ao próprio Spínola.
          Mas este retorquiu que era altura para decisões rápidas. Que a obrigação do comandante da defesa era fazer as alterações que achasse necessárias, sem delongas, e que pedisse autorização depois. Abro aqui um parêntesis para esclarecer que, com Spínola, era impensável tomar tais iniciativas porque, em caso de fracasso as consequências seriam devastadoras para o futuro da carreira. E, a finalizar a sua argumentação, o general acrescentou: «O senhor, em vez de dominar a situação, está a ser dominado por ela. Temos que ser inteligentes!»
          E foi aí que o tenente-coronel, já em pânico, cometeu um erro fatal. Tentando desesperadamente demonstrar que não lhe faltaria inteligência, respondeu: «Eu fui professor de Geometria Descritiva na Academia Militar.»
          A resposta fulminante e demolidora de Spínola não se fez esperar: «Vê-se bem que não foi professor de discernimento nem de bom senso.»
          E, com esta tirada, o Governador da Guiné saiu vitorioso. Acabara de conseguir mais um bode expiatório para imolar no altar das suas glórias…
publicado por Fernando Vouga às 17:52

link do post | comentar | favorito
|
2 comentários:
De Luís Alves de Fraga a 22 de Julho de 2006 às 01:44
Meu Caro Amigo,
São testemunhos destes que faltam! Testemunhos que nos dão a verdadeira dimensão de homens que muita gente se habituou a ver como deuses. Que eles próprios cultivaram uma imagem deificadora .
Spínola poderá ter tido o sentido da oportunidade, ao saber rodear-se de um excelente estado-maior. Teve sempre a esperteza de perceber (julgo eu!) que a guerra colonial não se vencia pela força das armas, mas sim pelo diálogo político. Mas soube sempre, também, escapar-se para não ser atingido pelos estilhaços das «granadas» que ele próprio lançava. Sabia viver no quartel, abrigado pelo resguardo dos galões ou estrelas; a prova da sua incapacidade política surgiu logo no pós-25 de Abril de 1974... Faltava-lhe a agilidade do acrobata. Costa Gomes poderá ter sido o «Xico Rolha», mas, ao sê-lo, mostrou a sua preparação política para superar dificuldades e conduzir Portugal a uma democracia civilizada. Com Spínola teríamos tido uma ditadura disfarçada.
Dê-nos mais testemunhos vivos desses tempos e dessas pessoas.
De Fernando Vouga a 22 de Julho de 2006 às 17:30
Obrigado pelo comentário. Mas não concordo que com Spínola tivéssemos uma ditadura disfarçada. Com Spínola teríamos uma guerra civil.

Comentar post

E.Rec.2640

pesquisar

 

Setembro 2016

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
29
30

Notas recentes

Só pode ser piada

Para quem gosta de ler

A luta armada na Guiné

Para quem gosta de ler

Para quem gosta de ler

A guerra na Guiné

Foi há 48 anos...

Despesa que não morreu

10 de Junho

Mas que golpada!

Arquivos

Setembro 2016

Abril 2016

Janeiro 2016

Novembro 2015

Maio 2015

Abril 2014

Julho 2013

Junho 2013

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Fevereiro 2012

Maio 2010

Março 2010

Janeiro 2010

Outubro 2009

Julho 2009

Junho 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Agosto 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Dezembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Favoritos

Para onde vais, América?

Ligações

Visitas

conter12

E.Rec.2640

blogs SAPO

subscrever feeds