Segunda-feira, 9 de Abril de 2007

Ausência prolongada, porém...

      

 

    Caros amigos

 

          Estarei ausente por uns tempos. Porém, vou levar um computador portátil. Se conseguir ligação à NET e os meus "afazeres" me derem algum tempo livre, prometo colocar alguma coisa interessante neste blogue.

          Caso contrário, só nos veremos lá para Maio.

 

          A todos os que costumam visitar este espaço, um grande abraço.

 

publicado por Fernando Vouga às 22:07

link do post | comentar | favorito
|
1 comentário:
De A. João Soares a 13 de Abril de 2007 às 18:38
Em Do Mirante, além de outros textos encontra o seguinte:


Os militares e a G3

Segundo o Diário de Notícias de hoje, «Militares vão continuar a utilizar as velhas 'G3'» que já é companheira de várias gerações, há mais de 40 nos, nas mais difíceis circunstâncias e agora vêm o processo de aquisição de nova arma para a substituir emperrado por razões administrativas há mais de dois anos e terão de esperar mais uns tempos.

Poderá haver opiniões contra a aquisição de nova espingarda, mas convém pensar primeiro se Portugal quer ou não ter Forças Armadas. Se as quiser ter, é bom ponderar o seguinte:
- Quantos portugueses usam ainda, na sua vida diária, um automóvel ou uma mota de modelo dos anos 60?
- Quantos usam a televisão do modelo original (dessa época)?
E, como a maior parte dos parelhos que hoje se usam só apareceram após essa data, pergunto:
- Qantos portugueses usam televisão a cores, ou leitores de vídeo, ou telemóvel, ou computador dos modelos originais?
Certamente têm trocado por modelos mais recentes por diversas vezes!!!

Os equipamentos antigos podem ser bonitos como peças de museu mas, obviamente, não serão eficazes nem fiáveis para os momentos actuais e os condicionamentos vigentes. Não é por acaso que as novas gerações de equipamentos domésticos e de uso corrente introduzem sucessivos melhoramentos no seu funcionamento. E a arma para um militar é a sua melhor amiga com a qual tem de contar sempre que necessário, pois pode ser uma questão de vida ou de morte.

Ter um Exército mal equipado e armado é um mau «negócio» para o País. Será preferível um mais pequeno mas eficiente quanto às qualidades dos materiais e à preparação do pessoal. Sem isso, será melhor pensar em deixar de ter Forças Armadas, o que não sendo curial perante os nossos parceiros europeus e da NATO, constituirá no entanto uma inovação muito ao gosto de alguns políticos e opinadores que têm dificuldade em analisar as situações reais com todos os seus condicionamentos e implicações.

Comentar post

E.Rec.2640

pesquisar

 

Setembro 2016

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
29
30

Notas recentes

Só pode ser piada

Para quem gosta de ler

A luta armada na Guiné

Para quem gosta de ler

Para quem gosta de ler

A guerra na Guiné

Foi há 48 anos...

Despesa que não morreu

10 de Junho

Mas que golpada!

Arquivos

Setembro 2016

Abril 2016

Janeiro 2016

Novembro 2015

Maio 2015

Abril 2014

Julho 2013

Junho 2013

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Fevereiro 2012

Maio 2010

Março 2010

Janeiro 2010

Outubro 2009

Julho 2009

Junho 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Agosto 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Dezembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Favoritos

Deixem os amigos em paz

Para onde vais, América?

Ligações

Visitas

conter12

E.Rec.2640

blogs SAPO

subscrever feeds