Sábado, 28 de Julho de 2007

Meditando...

Imagem retirada do Jornal do Exército

 

            A especificidade da profissão militar tem por núcleo caracterizador a completa disponibilidade para o serviço do país daqueles que a exercem. Disponibilidade em termos de tempo e de local de prestação – sem limite de horário e sempre prontos a marchar para onde a missão o requeira, com toda a incomodidade pessoal e familiar que isso representa. E disponibilidade na entrega total à sua missão, tanto física como espiritualmente, comprometendo-se a sacrificar a própria vida na defesa da Pátria, em contrato que estabelecem através de juramento público perante a bandeira nacional.
 
Loureiro Dos Santos
General


            No dia 23 de Julho, o General Loureiro dos Santos apresentou no jornal "O Público" um excelente artigo em que nos dá conta da insatisfação dos militares face aos nossos governantes. A seu ver, dentro de pouco tempo Portugal será talvez o único país do Mundo em que os militares, no respeitante a direitos, serão equiparados a funcionários públicos (mantendo no entanto as suas obrigações, privações e compromissos).
            Subscrevo inteiramente o pensamento do autor do artigo e congratulo-me por haver ainda alguém de prestígio com coragem para enfrentar o poder político. Porém, o texto em epígrafe, retirado do artigo, levou-me a levantar uma questão: estando os militares por juramento obrigados a arriscar a sua vida em defesa da Pátria, quais são as obrigações dos restantes cidadãos, nomeadamente os governantes, nessa matéria?
            Reduzindo a questão ao absurdo para encurtar razões, será possível consentir que, em tempo de guerra, enquanto uns sacrificam a vida no campo de batalha outros vendam armas ao inimigo?
            A resposta óbvia é não. Quando a Pátria está em perigo, ninguém pode ser autorizado a ser “menos patriota”, digamos assim. Por outras palavras, todos nós, civis e militares, seremos obrigados, se necessário, a sacrificar as nossas vidas em sua defesa. Mas, a ser assim, coloca-se fatalmente outra questão: afinal, para que serve o juramento?
  
publicado por Fernando Vouga às 18:28

link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
|
Quarta-feira, 25 de Julho de 2007

A foto da semana

Zemba, Angola, 1974

 

            Vista parcial do quartel. Podemos ver à esquerda a capela, ao centro a mess de oficiais e à direita o edifício do comando de Batalhão. As construções, embora toscas, conferiam algum conforto. Pelo menos, pelas fendas entre as tábuas, passava ar suficiente para arrefecer o ambiente...

            De qualquer forma, estas instalações não se podem comparar às barracas de Muidumbe (ver notas anteriores).

publicado por Fernando Vouga às 15:14

link do post | comentar | favorito
|
Quarta-feira, 18 de Julho de 2007

A foto da semana

Zemba, Angola, 1974

 

            O quadrado mais claro à direita é o quartel de Zemba. Sede de um Batalhão, neste terreno que antes da guerra  fora um terreiro para secar café, estiveram aquartelados durante vários anos cerca de trezentos militares.

            A faixa de terreno à direita era a pista de aterragem para aviões ligeiros. Curta e com uma curva junto ao quartel, era um perigo para as aeronaves. O que justificou os vários acidentes que lá ocorreram.

            À esquerda da figura pode ver-se a sanzala onde viviam umas dezenas de nativos, quase todos capturados em operações. Uma vez instalados, facilmente esqueciam a dureza e penúria que viviam no mato. Construíam as suas palhotas e dedicavam-se às suas culturas tradicionais: mandioca, feijão e milho. Nas imediações procuravam caça e, na época da colheita do café, deslocavam-se para plantações abandonadas onde, sob a protecção das nossas tropas, colhiam toneladas de bagas.

            A fotografia foi tirada no final da época seca (do "cacimbo") e pode ver-se uma queimada. E era aí, nesses terrenos cobertos de cinza fertilizante que preparavam o terreno para ser cultivado.

publicado por Fernando Vouga às 15:13

link do post | comentar | ver comentários (17) | favorito
|
Quarta-feira, 11 de Julho de 2007

A foto da semana

Muidumbe, 1966

 

            Imagem de um avião "Dakota" que acabara de ser alvejado durante a aterragem. Na cobertura do motor esquerdo, por cima da cabeça de um soldado, pode ver-se o buraco de uma bala de grosso calibre.

            Embora o avião não tivesse sofrido danos significativos, e continuasse a voar sem problemas, as consequências para a tropa estacionada em Muidumbe foram graves. A partir daí deixaram de se efectuar voos de reabastecimento com esta aeronave, por se entender demasiado perigoso.

            Tal decisão significou uma redução drástica na quantidade de frescos distribuídos. Porque o DO-27 semanal só levava 3 ou 4 caixas da carne e peixe ( e este, com o calor e as demoras nos embarques, chegava muitas vezes estragado).

publicado por Fernando Vouga às 15:20

link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|
Quarta-feira, 4 de Julho de 2007

A foto da semana

  Vista aérea de Muidumbe.

 

          A imagem foi captada da cabine de um Dornier (DO-27) que se preparava para aterrar na pista que se vê à direita.
          Esta localidade, se assim se pode chamar, era a sede de um Posto Administrativo. No início do combate à guerrilha,  foi utilizada pela Companhia de Atiradores 803 como acampamento provisório durante uma operação. E o provisório tornou-se definitivo.
          Sem as mínimas condições de habitabilidade, sem colchões para as camas, sem casernas, sem latrinas, sem comida decente, a Companhia de Cavalaria 1510, que foi render a 803, permaneceu neste local um ano.
publicado por Fernando Vouga às 12:38

link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
|

E.Rec.2640

pesquisar

 

Setembro 2016

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
29
30

Notas recentes

Só pode ser piada

Para quem gosta de ler

A luta armada na Guiné

Para quem gosta de ler

Para quem gosta de ler

A guerra na Guiné

Foi há 48 anos...

Despesa que não morreu

10 de Junho

Mas que golpada!

Arquivos

Setembro 2016

Abril 2016

Janeiro 2016

Novembro 2015

Maio 2015

Abril 2014

Julho 2013

Junho 2013

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Fevereiro 2012

Maio 2010

Março 2010

Janeiro 2010

Outubro 2009

Julho 2009

Junho 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Agosto 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Dezembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Favoritos

Deixem os amigos em paz

Para onde vais, América?

Ligações

Visitas

conter12

E.Rec.2640

blogs SAPO

subscrever feeds