Quarta-feira, 29 de Março de 2006

Negócio difícil

            Na Guiné, uma das coisas a que tive que me habi­tuar, foi a ser cumprimentado com pompa e cir­cunstância. De vez em quando, entrava-me pela porta de armas adentro uma majestosa comiti­va. À frente, o cumprimentador. Atrás dele, o porta­dor de oferendas. Depois, um séquito mais ou me­nos nu­meroso, conforme a importância... ou os desejos. Todos vestidos a preceito com os seus vistosos al­bornozes coloridos e fartos turbantes na cabeça. Vi­nham, ce­rimoniosos e imponentes, apresentar cumprimentos ao «homem grande de esquadrão».

            As ofertas eram quase sempre dois raquíti­cos galináceos, cujo passado alimentar se adivi­nha­va pouco glorio­so. Mas nem sempre. Uma vez, dois che­fes mu­çulmanos da Mauritânia, em di­gres­são proselitista de colheita de fundos, ofereceram duas co­lheres de café de uma liga com prata. Só que de­pois deram a entender que queriam ser retri­buídos com dois tambores de gasóleo, para a via­gem de regresso. Nem mais nem menos!

            A conversa, traduzida por um intérprete, era quase sempre lacónica:

            — Sou o chefe da tabanca tal e venho cum­primentar vossa excelência (por vezes, vossa reve­rên­cia...).

            A resposta era o mais amável possível, mas de forma a evitar compromissos. Qualquer deslize, qualquer má interpretação, podia ser to­ma­da como uma oferta ou coisa semelhante. Se­guia-se o apre­ciado aperto de mão a toda a gente. Depois, con­forme o valor da oferta, retribuía-se com um ou dois quilos de arroz ou açúcar. Não se podia ser muito generoso, para evitar que os «cum­primentos» proliferassem exageradamente. Além disso, os gé­neros alimentícios que havia não se destinavam a actividades diplomá­ticas. No final da breve ceri­mónia, os embaixadores, aos salamale­ques, da­vam uns primei­ros pas­sos atrás e sa­íam porta fora à procura de ou­tro «homem grande» de mãos mais largas.

            Mas o “cumprimento” mais original que tive, foi o de um homem (acompanhado pelo seu sé­quito, bem entendido) que, após os salamaleques habitu­ais, me propôs, pura e simplesmente, que lhe cons­truísse a casa.

            Com muita paciência, expliquei-lhe que o Esquadrão era uma unidade de blindados que não tinha nem meios nem verbas para dar apoios à po­pulação. Esclareci:

            Patacão alá, a mim cá tem[1] — disse-lhe eu nos meus poucos conhecimentos de crioulo.

            Acrescentei que nem sequer estava autori­zado a des­viar recursos para esse tipo de activi­dade. Que de­via pôr o caso no Comando do Bata­lhão, ali mesmo ao lado, que tinha meios para lhe satisfazer o pedido. Que o apoio às populações era com o batalhão e nunca com o esquadrão. Mais isto, mais aquilo. Nada feito. O homem esclareceu-me que já lá tinha estado, e levado uma nega.

            Estava de pedra e cal. As chuvas estavam à porta, dizia, e precisava de fazer uma casa nova. E insis­tia:

            — Nos Nhabijões tropa está a fazer muitas casas que até são cobertas a chapa de zinco. Mais uma ou menos uma, pouca diferença faz.

            Depois de muitas explicações minhas sobre verbas e competências, apresen­tou nova proposta:

            — Então, é só ir no mato cortar os paus e o capim e trazê-los para a tabanca. Eu depois faz casa.

            A paciência ia-me faltando, mas lá lhe ex­pliquei:

            Carro tartaruga não pode ir cortar paus nem capim, seja aonde for. Patrão di mim não deixa andar carro tartaruga com paus e capim. À mim cá pude[2].

            Nova proposta:

            — Então, só cortar e transpor­tar paus.

Nova expli­cação e nova pro­posta:

            — Então, só cortar e transportar capim.

            Situa­ção de impasse. Nem eu concordava, nem ele ia embora. Finalmente, após um silêncio, o homem apresentou o seu úl­timo preço:

            — Homem grande, parte[3] dois qui­los de ar­roz.

            Perante proposta tão tentadora, fechei o ne­gócio!



[1] Não tenho dinheiro.

[2] Eu não posso.

[3] Oferece

publicado por Fernando Vouga às 00:11

link do post | comentar | favorito
|

E.Rec.2640

pesquisar

 

Setembro 2016

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
29
30

Notas recentes

Só pode ser piada

Para quem gosta de ler

A luta armada na Guiné

Para quem gosta de ler

Para quem gosta de ler

A guerra na Guiné

Foi há 48 anos...

Despesa que não morreu

10 de Junho

Mas que golpada!

Arquivos

Setembro 2016

Abril 2016

Janeiro 2016

Novembro 2015

Maio 2015

Abril 2014

Julho 2013

Junho 2013

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Fevereiro 2012

Maio 2010

Março 2010

Janeiro 2010

Outubro 2009

Julho 2009

Junho 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Agosto 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Dezembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Favoritos

Para onde vais, América?

Ligações

Visitas

conter12

E.Rec.2640

blogs SAPO

subscrever feeds