Quarta-feira, 19 de Abril de 2006

Macacos

        Agora que a guerra acabou, e já lão vão mais de trinta anos, já é possível contar algumas histórias que, ao tempo, não era avisado divulgar. Esta tem a ver com macacos.

        Muitos soldados, no final das suas comissões, arranjavam um macaco para levar para a terra deles, como testemunho da sua estada em África. Porém, para que conseguissem embarcar com o dito, era necesário vaciná-lo. E era aqui que começavam os problemas. Tudo, porque a maioria dos pobres animais morria da vacina.

        Mas cedo os nossos soldados, ou não fossem eles portugueses, deram a volta ao texto, como se costuma dizer. Em vez de adquirirem um macaco, adquiriam dois: um para vacinar e outro para viajar com o certificado do defunto!

 

publicado por Fernando Vouga às 21:39

link do post | comentar | favorito
|
5 comentários:
De Luís Alves de Fraga a 22 de Abril de 2006 às 17:10
Andei por lá, como o meu Amigo sabe (Moçambique, duas vezes) e não fazia a mínima ideia dessa artimanha, que é genial... Claro, é assim que muitos «bons» comerciantes de produtos a retalho ("cafés", restaurantes, barbeiros, retrosarias, pronto-a-vestir, etc.) fazem com a caixa registadora: têm uma no estabelecimento e outra em casa... esta última é que funciona para efeitos de escrita; a outra é «defunta» como o macaco vacinado!
De traumilla bimbi a 22 de Abril de 2006 às 23:00
Pode ser uma artimanha inteligente, mas quem se lixa...é o macaco! Não acho nada bem.
De Mauro Maia a 27 de Abril de 2006 às 19:41
Tenho muito apreço pelo autor e tenho muito respeito pelas vivências do ultra-mar, mas concordo com a «traumila»: é horrível para o animal. Já agora, a foto do artigo mostra um orangotango, o que está incorrecto para ilustrar o texto. É uma confusão muito generalizada em Portugal, mas um orangotanto não é um macaco. Orangotangos, Chimpanzés, Gorilas, Seres Humanos não são macacos, não símios. De entre os primatas, há os macacos e os símios. Nos últimos, os símios nos quais nos incluímos, não há cauda e há um elevado nível de inteligência (reconhecem-se ao espelho, por exemplo). Já os macacos têm cauda e não revelam inteligência (não se reconhecem ao espelho, por exemplo). A única excepção é um macaco no Novo Mundo que não tem cauda, mas essa é uma excepção. Eu sei que todos já ouvimos falar (e já vimos) a série de filmes «Planet of the apes». A tradução que se faz em Portugal é «Planeta dos macacos». Correctamente é «Planeta dos símios» (se não seria «Planet of the Monkeys)...
De Fernando Vouga a 27 de Abril de 2006 às 23:53
Obrigado mauro pelo comentário e pelo esclarecimento. Vê-se bem que não sou perito em macacadas...
De iol a 2 de Maio de 2006 às 14:29
À parte a malvadez, gostei do texto.
Só quem não esteve longe é que não tem a percepção de quanto pode ser importante trazer um "recuerdo", mesmo que seja um animal.
Reconcilia-nos com o longe, o sofrimento e justifica a nossa ausencia.

Comentar post

E.Rec.2640

pesquisar

 

Setembro 2016

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
29
30

Notas recentes

Só pode ser piada

Para quem gosta de ler

A luta armada na Guiné

Para quem gosta de ler

Para quem gosta de ler

A guerra na Guiné

Foi há 48 anos...

Despesa que não morreu

10 de Junho

Mas que golpada!

Arquivos

Setembro 2016

Abril 2016

Janeiro 2016

Novembro 2015

Maio 2015

Abril 2014

Julho 2013

Junho 2013

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Fevereiro 2012

Maio 2010

Março 2010

Janeiro 2010

Outubro 2009

Julho 2009

Junho 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Agosto 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Dezembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Favoritos

Para onde vais, América?

Ligações

Visitas

conter12

E.Rec.2640

blogs SAPO

subscrever feeds