Sábado, 2 de Maio de 2015

A guerra na Guiné

TangoMau02.jpeg

 

      Mário Beja Santos dispensa apresentações.

      Das várias obras literárias de que é autor, parece-me ser do maior interesse divulgar neste espaço “A Viagem do Tangomau”.

      Numa altura em que corremos o perigo de deixar para o esquecimento uma guerra que durou treze anos e que envolveu toda uma uma geração de jovens portugueses (e também de africanos das nossas antigas colónias), torna-se urgente esclarecer ou avivar a memória dos muitos — incluindo governantes — que teimam em pensar que essa guerra foi uma mera bricadeira de crianças.

      Tangomau, que parece ser o “alter ego” do autor, é a personagem central desta extensa obra literária que descreve de uma forma minuciosa, talvez mesmo microscópica, a sua longa passagem pelas Forças Armadas.

      Como tantos que foram mobilizados para a guerra, Tangomau teve de deixar a sua vida académica e foi parar à Guiné.

      Como omandante de um pelotão de tropas nativas era, ao mesmo tempo, responsável pela segurança e bem estar das populações locais. Tarefa assás difícil e delicada, uma vez que a área à sua responsabilidade era alvo frequente de acções dos guerrilheiros, que causaram demasiados mortos e feridos, tanto em civis como em militares.

      Porém, como acontecia muitas vezes a quem conviveu intimamente com os africanos “do mato”, o nosso herói apaixonou-se por aquela gente. Por ela arriscou a sua vida, poe ela deu o seu melhor para lhe aliviar o sofrimento e proporcionar uma melhor qualidade de vida. Paixão essa que perdurou muito para além do conflito.

      De salientar nas suas descrições operacionais a incompreensão sempre latente entre aquelas que fazem a guerra no terreno e aqueles que a planeiam e ordenam. Mas, ao contrário dos guerrilheiros que beneficiam de uma grande autonomia, esta é uma das grandes limitações das “tropas da ordem” nas quais há que controlar tudo e prestar contas aos escalões superiores.

      De notar ainda um certo desdém que se nota em relação ao comandante-chefe e governador, que Tangomau insiste em chamar-lhe brigadeiro em vez de general...

publicado por Fernando Vouga às 21:23

link do post | comentar | favorito
|

E.Rec.2640

pesquisar

 

Setembro 2016

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
29
30

Notas recentes

Só pode ser piada

Para quem gosta de ler

A luta armada na Guiné

Para quem gosta de ler

Para quem gosta de ler

A guerra na Guiné

Foi há 48 anos...

Despesa que não morreu

10 de Junho

Mas que golpada!

Arquivos

Setembro 2016

Abril 2016

Janeiro 2016

Novembro 2015

Maio 2015

Abril 2014

Julho 2013

Junho 2013

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Fevereiro 2012

Maio 2010

Março 2010

Janeiro 2010

Outubro 2009

Julho 2009

Junho 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Agosto 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Dezembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Favoritos

Deixem os amigos em paz

Para onde vais, América?

Ligações

Visitas

conter12

E.Rec.2640

blogs SAPO

subscrever feeds