Sexta-feira, 4 de Abril de 2014

Foi há 48 anos...

 

 

 

 

     Com a devida vénia, publico aqui um texto de Manuel Malha extraído do seu blogue "Gazeta do Middlesex" (www.manuel2.com).

     O seu autor foi alferes miliciano da Companhia de cavalaria 1510, unidade que tive a honra de comandar em Moçambique de 1966 a 1968.

 

*******

 


 

  Looking  South





 

I felt age within me. Distance.

The futility of wandering. Torpor.

I looked back setting my bundle down.

I looked back not knowing where to set my foot.

Serpents appeared on my path,

spiders, field mice, baby vultures.

They were neither good nor evil now--every living thing

was simply creeping or hopping along in the mass panic.

I looked back in desolation.

In shame because we had stolen away.

Wanting to cry out, to go home.

 

 

Wislawa Szymbroska

 

 

 

O comboio especial deixou-nos naquela madrugada de Janeiro em Stª Apolónia onde os camiões militares esperavam para nos levar ao cais. No meio da multidão o pequeno grupo dos meus que se tinham vindo despedir do filho e neto único. Breves momentos para os derradeiros beijos e abraços. O meu avô, velho militar ainda aprumado nos seus oitenta anos, tinha posto ao peito as medalhas ganhas na Flandres. Dirijo-me a ele para a despedida final quando, com os olhos marejados de lágrimas, num impulso súbito se perfila e me faz a continencia. Vacilo , é demais, tenho medo de não aguentar e resolutamente volto as costas e regresso à formatura.

 

Senhoras do Movimento Nacional Feminino oferecem tabaco e imagens de santos. Recuso. Começa o desfile no meio das mais indescritíveis cenas de dor. Gritos e choros, um cenário dantesco mas felizmente curto ; em poucos minutos o Vera Cruz ter-nos-á engolido a todos. Depois é a corrida para as amuradas, pequenas para os três mil homens que partem. A sirene do navio soa, soltam-se as amarras, a banda militar no cais toca o hino nacional que mal se ouve no meio da gritaria. Desesperadamente procuro a minha família . Vejo finalmente a cara de minha Mãe, muito branca, no meio da multidão. Será esta a última imagem que levo comigo.

 

Começa a longa viagem e em breve a juventude , la ensouciante jeunesse, toma conta de nós. Tudo é novidade e , privilégios de classe, viajamos em primeira . Pode ser um transporte de tropas, mas mesmo assim é servido diariamente um chá com orquestra, (obviamente não dançante...), a mesma que acompanha os nossos jantares.

 

Luanda é a primeira escala e o primeiro contacto com África, dois dias apenas, demasiado pouco para o que queríamos ver. Em breve voltamos a navegar e dobrado o cabo da Boa Esperança Lourenço Marques espera-nos. É organizado um desfile militar pois somos o primeiro grande contingente de tropas a chegar à província e somos recebidos com indiferença, ou mesmo hostilidade, pela população branca. Parece que a guerra tão distante lá no Norte, apenas a nós diz respeito.

 

Nas próximas escalas o navio começará a regurgitar soldados, primeiro a Beira depois Nacala, Porto Amélia. Seremos os últimos a desembarcar em Mocimboa da Praia, em lanchas protegidos por fuzileiros e armados com Mausers, as armas automáticas virão mais tarde. A picada até Mueda é longa, cada metro uma angustia, é o primeiro contacto com o que nos espera. Verei indiziveis horrores, serei testemunha de indescritíveis sofrimentos. O hospital militar de Nampula convenientemente escondido no mato dos arredores. A esburacada picada que vem do aeroporto e que as ambulâncias carregadas de feridos percorrem lentamente entre gritos de dor.

 

 

 

 

Caminho lentamente até à beira mar nesta praia de seixos de Dorset. Está muito frio e sinto o gelo estalar sob os meus pés. Mar cinzento, céu de chumbo. Estremeço e olho para Sul. Pátria amada afinal não terás mesmo os meus ossos.

 

*******

 

Fotografia de Fernando Vouga - Janeiro de 1966 

publicado por Fernando Vouga às 17:13

link do post | comentar | favorito
|

E.Rec.2640

pesquisar

 

Setembro 2016

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
29
30

Notas recentes

Só pode ser piada

Para quem gosta de ler

A luta armada na Guiné

Para quem gosta de ler

Para quem gosta de ler

A guerra na Guiné

Foi há 48 anos...

Despesa que não morreu

10 de Junho

Mas que golpada!

Arquivos

Setembro 2016

Abril 2016

Janeiro 2016

Novembro 2015

Maio 2015

Abril 2014

Julho 2013

Junho 2013

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Fevereiro 2012

Maio 2010

Março 2010

Janeiro 2010

Outubro 2009

Julho 2009

Junho 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Agosto 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Dezembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Favoritos

Para onde vais, América?

Ligações

Visitas

conter12

E.Rec.2640

blogs SAPO

subscrever feeds