Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

QUANTO MAIS QUENTE MELHOR

QUANTO MAIS QUENTE MELHOR

NUNCA POR CALADOS NOS CONHEÇAM

Memórias de Salgueiro Maia

 

          Nada melhor para quem estiver interessado em histórias da guerra do Ultramar do que ler o “Capitão de Abril” de Salgueiro Maia.
          Escrito de uma forma viva, muito pessoal e agradável onde não falta a clareza e uma pitada de humor, este livro transporta-nos aos tempos das campanhas africanas, à revolução de Abril e aos tempos difíceis que se lhe seguiram.
          Mas o melhor é deixar falar o seu autor, pelo que passo a transcrever alguns excertos que considerei mais interessantes:
 
Sobre a Guiné (Guidage, Maio de 1973):
 
          «O IN passou a utilizar mísseis terra-ar, do que resultou serem abatidos um avião DO27 que acabava de evacuar feridos da pista de Guidage, um avião T6 de uma patrulha de dois que foram ver o que tinha acontecido ao DO27 e um avião Fiat G91. Dos aviões abatidos resultou a morte de todos os ocupantes do avião DO e de um dos outros pilotos, pois um deles pôde ser recuperado depois de se atirar de pára-quedas. (pag. 63)
[...]
 
          Pelas 19 horas, esgotados, chegámos a Guidage, que ao anoitecer tinha um aspecto irreal. O chão estava lavrado por granadas, as casas, todas atingidas, pareciam ruínas, os homens viviam em buracos, luz e água não havia. (pag. 69)
[...]
 
          Nas minhas visitas pelos escombros, desci ao abrigo da artilharia, onde houvera quatro mortos e três feridos graves. O abrigo fora atingido em cheio por uma granada de morteiro 83 com retardamento; [...] o chão tinha um revestimento insólito — consistia numa poça de sangue seco, de cor castanha, com 2mm a 3mm de espessura, rachada como barro ressequido. (pag. 71)
 
Sobre Moçambique.
 
          A alimentação consistia em dobrada liofilizada que, ao ser recuperada em água, deitava um cheiro nauseabundo, capaz de tirar o apetite mesmo ao mais esfomeado; bacalhau, conservado na maior parte das vezes em latas de cal, tipo caixão; atum e salsichas, para acompanhar com arroz e massa; a batata e os vegetais era raro aparecerem; carne, só de caça, pois a congelada também não aparecia... (pag. 79)
 
Sobre o dia 25 de Abril de 1974
 
          A marcha para o Carmo foi extraordinária pelo apoio popular que agregou, o que contribuiu bastante para que o Carmo perdesse a vontade de resistir. (pag. 94)
[...]
... dizendo serem eles os mensageiros do general Spínola.
          Deixo-os entrar no Quartel mas depois começo a desconfiar nos mensageiros, pois deveria ser o general Costa Gomes a comparecer, visto ter sido para isso o mais votado pela Coordenadora. (pag. 95/96)
[...]
          O general Spínola chegou com Dias de Lima, não respondeu sequer ao meu cumprimento militar e assumiu um ar de quem tinha ali sido chamado para resolver uma situação crítica com a qual nada tinha a ver. (pag.97)
[...]
          Foi falar a sós com Marcelo e veio de lá com ar de dono da Guerra! (pag. 97)
[...]
          É na sequência disto que não compareço na tomada de posse de Spínola... (pag.98)»
 
 
 

2 comentários

Comentar post