Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

QUANTO MAIS QUENTE MELHOR

QUANTO MAIS QUENTE MELHOR

NUNCA POR CALADOS NOS CONHEÇAM

O segredo é a alma do negócio...

          Uma das actividades operacionais mais perigosas da guerra colonial eram as colunas auto pelas picadas do mato. A velocidade era muito lenta, o capim alto e a defesa difícil porque, em movimento, a observação é limitada e as pontarias muito incertas. Por outro lado, o inimigo, os “turras” como dizíamos, para além das emboscadas, colocava minas. Por essa razão, eram tomadas várias precauções. De madrugada, saía uma guarda avançada, mais conhecida por “picagem” com pessoal munido de uma espécie de chuço, para picarem o terreno a fim de detectarem esses terríveis engenhos explosivos.
          Era o que acontecia entre Nova Lamego e Piche (aqui estava destacado um pelotão do esquadrão). De cada uma destas localidades saía uma equipa de picagem que se encontravam a meio do caminho, junto à aldeia de Bentém, organizada em autodefesa pelas populações locais. Depois, aguardavam pela passagem das colunas, nas quais apanhavam boleia para os quartéis de origem. E foi aí que se passou um dos casos mais insólitos que me foi dado conhecer.
          Uma bela madrugada, saiu de Piche, em direcção a Nova Lamego, uma coluna escoltada por um pelotão de reconhecimento do Esquadrão. À chegada a Bentém deparou com a equipa de picagem atarefada a levantar minas da picada e das bermas. Entre minas anti carro e anti pessoal, se a memória não me falha, levantaram-se 25. E só aí o alferes comandante do pelotão percebeu a sorte que teve.
          Com efeito, a aldeia em questão acabara de sofrer durante a noite um ataque dos guerrilheiros, Como pertencia à zona de acção do Batalhão de Nova Lamego, saíram tropas dessa localidade em socorro dos atacados, pondo o inimigo em fuga. Tudo sem incidentes de maior.
          Porém, poucos dias atrás, ainda estava à responsabilidade do batalhão de Piche. Caso essa responsabilidade não tivesse sido mudada, o que teria acontecido era o socorro ter sido prestado pelo pelotão de reconhecimento. E, se o tivesse feito, teria sido um desastre. As viaturas teriam que seguir de noite pela picada, a toda a velocidade, sem esperar pela picagem e, claro, cairiam fatalmente nas minas. Mas havia mais: os soldados que saltassem das viaturas para se abrigarem do fogo inimigo saltariam para cima das minas anti pessoal colocadas nas bermas. Uma carnificina!
          É caso para dizer: ainda bem que os guerrilheiros não foram avisados da mudança da responsabilidade…

Novo rumo

          Um blog, que não seja alimentado de vez em quando com novos artigos, corre o risco de perder leitores e, consequentemente, morrer à fome, digamos. Assim, resolvi solicitar a colaboração dos antigos combatentes para, com contribuições da sua lavra, ajudarem a manter vivo este espaço de memórias dos tempos em que, por terras do “Chão Fula”, vivemos um dos períodos mais difíceis das nossas vidas.
          Mas a colaboração ainda não chegou — talvez venha a caminho — e a falta de visitas começa a fazer estragos. Por isso, resolvi a partir de agora  incluir no “Quanto Mais Quente Melhor” textos não directamente relacionados com a nossa comissão militar na Guiné, mas que de alguma forma se relacionem com a guerra em que participámos.
          Não estranhem pois o seu aparecimento.

Colaboração

          Este espaço é de todos quantos serviram no Esquadrão de Reconhecimento Fox 2640 e não apenas do seu autor. Nesses termos, e no sentido de lhe dar mais dinamismo e interesse, seria de todo desejável que quem tenha algo que gostasse de ver incluído neste BLOG o enviasse por correio electrónico ou pelo CTT.

          Apenas a título de exemplo, sugere-se o envio de:

  • Fotografias
  • Cartas ou aerogramas
  • Artigos escritos
  • Documentos
  • Etc.

          Desde já, os meus agradecimentos

Mais um convívio

 

          No passado domingo, dia 30 de Abril, decorreu em Vermoil, no restaurante Litoral, o 15º convívio dos antigos combatentes que fizeram parte do Esquadrão de Reconhecimento Fox nº 2640. Compareceram 44 elementos do Esquadrão e 120 familiares. A animação foi grande, as saudades muitas e a comida excelente.

          Parabéns aos organizadores.

 

À porta da igreja onde foi celebrada a missa por alma dos combatentes falecidos.

 

Momento de grande "emoção": O Cabral, cheio de inveja, contempla a "ferramenta" do menino que faz "chichi"...

 

E não falta quem tenha orgulho no emblema que ostentou ao peito durante dois anos, por terras da Guiné!